THE FASHION T'S

Fashion. Make. Beauty. More.


Leave a comment

Como sobreviver ao final do Carnaval e a outras ressacas

Que todo Carnaval tem seu fim todo mundo já está cansado de saber. Mas o que as pessoas costumam esquecer é que as consequências da bebedeira e dos quatro dias de pura insanidade não vão embora ao meio-dia da quarta-feira de Cinzas, não.

Foi pensando nas pessoas que estão aproveitando os últimos momentos de fritação e despirocação antes de voltar ao mundo real que eu fui atrás de umas dicas para curar toda ressaca do mundo (não, eu não tô usando fantasias e enchendo a cara).

ressacaA gente sempre ouve dos pais que sempre ouviram dos avós que não sei se ouviram dos bisavós que a melhor solução para curar a ressaca é tomando chá de boldo. Todo mundo torce o nariz, chora, sofre, esperneia para não ter que passar por essa cura infeliz. Para todos aqueles que já tiveram o desprazer de experimentar o boldo, comemorem: há muitas outras alternativas que são tão eficazes quanto o temível boldinho.

Uma gordice

animal-fats-bacon-and-eggsMuitas vezes a gente acorda sem a menor vontade de ingerir qualquer tipo de alimento. Mas há muitos que podem resolver seus problemas.

Pão, massas em geral, bolos… Carboidratos e alimentos com glicose cortam o efeito como ninguém. O café da manhã dos norte-americanos também ajudam: ovos têm um aminoácido que quebra a oxidação do etanol (para quem não gosta de química, isso significa tirar o álcool do corpo) e o bacon é rico em proteína, ajudando ainda mais a retirar o etanol do sangue graças ao aminoácidos (sim. B-A-C-O-N).

Frutas

(2138)Banana pode ser uma forte aliada se você não quiser se aventurar tanto na cozinha. A fruta é rica em potássio, que combate as cãibras, os cansaços, náuseas e ânsias, além de produzir eletrócitos, que hidratam o corpo rapidamente.

Além dela, toda e qualquer fruta é uma ótima pedida: a frutose delas repõe o açúcar que seu corpo perdeu. O sabor pode não ser gostoso, afinal a gente mal consegue distinguir sabores no dia seguinte a muito álcool, mas a eficácia é enorme.

Bebidas não-alcoólicas

chá-para-curar-câncer-1024x757Outros chás, que não os de boldo, são bons para o seu corpo também. Os de hortelã e camomila ajudam a desintoxicar, além de ajudar com problemas digestivos.

Gatorade, assim como a banana, é rico em eletrócitos e fazem a mesma função, caso ingerir alimentos esteja difícil. Sucos das frutas também fazem as funções delas.

Refrigerante não faz só arrotar e dá aquela sensação de alivio das náuseas e ânsias. Ele ajuda a aliviar aquela sensação de barriga revirada que fica.

aguaBebeu água? Não. Tá com sede? Não. Ressaca

Em caso de muito álcool e nenhuma vontade de fazer nenhum dos itens acima, só beba água. E não, eu não estou falando da água que passarinho não bebe, que tubarão não nada, pois eu não sou aquele seu tio cachaceiro que diz: “para curar uma ressaca só tendo outra”. Falo de água mineral. Realmente, você vai ficar legal.

Advertisements


Leave a comment

Tem série nova no ar: Trophy Wife

Olá, pessoal, tudo bem?

Esse fim/começo de ano é triste pra quem adora séries. Eu acompanho cerca de 20, mas algumas foram canceladas (The Killing, Ravenswood…) e, nesse período, não há muito o que assistir.

Sempre que posso, dou uma olhada em sites sobre séries pra ver se foi lançada alguma atração nova. Numa dessas “zapeadas”, encontrei a Trophy Wife, da ABC. Uma das coisas que me chamou a atenção na série foi a Bailee Madison: ela é uma atriz mirim, que fez a filha da Jennifer Aniston em “Esposa de mentirinha”. Quem assistiu, não teve como não notar a atuação brilhante da menina, além das cenas serem muito engraçadas.

fonte- hollywoodmoblog

(fonte: hollywoodmoblog)

Separei um trechinho do filme, mas em inglês:

Outro motivo pelo qual eu gostei da série é que, apesar de ser uma comédia, não é forçada e nem tem aquelas risadas de fundo (tipo em Chaves), quase te obrigando a achar graça do humor americano, que é beeeem diferente do nosso.

A história é sobre Kate (Malin Åkerman), a “Esposa troféu”. Ela conhece Pete Harrison (Bradley Whitford) em um karaokê. Ela descobre que ele tem duas ex-esposas e três filhos, os gêmeos Warren e Hilary com Diane e o Bert com Jackie. Os filhos são muito espertos, principalmente Bert, que além de tudo é fofo! E Diane é outra personagem minha favorita, ela é médica e super elegante. Também é perfeccionista demais e as maneiras que ela encontra de castigar os filhos quando eles fazem algo errado são hilárias. Por isso, os gêmeos morrem de medo da mãe e sempre escondem dela quando algo não sai como o esperado.

fonte- newstoshows

fonte- newstoshows

fonte- spoilerstv

fonte- spoilerstv

fonte- austinculturemap

fonte- austinculturemap

fonte- newstoshows

fonte- newstoshows

Trophy Wife estreou em setembro do ano passado. O último episódio da primeira temporada vai ao ar no dia 4 de março. Os episódios duram 20 minutos cada, ideal pra quem não tem paciência de ver séries muito demoradas.

No promo, a atriz que aparece como Hilary depois é substituída, mas a troca por Bailee Madison deixou a atração melhor ainda.

Beijo, pessoal!

 


Leave a comment

Leituras de um dia

A gente fala de música, de moda, de série e até damos dicas culinárias aqui. Hoje, querendo uma coisa diferente, fiquei a fim de falar de literatura no blog! Pensando nisso, elegi oito livros que podem ser lidos em um dia pra compartilhar com vocês. (Não que dê pra ler esses oito livros em um único dia, mas sim que cada um desses livros pode ser lido em um dia… Ah, vocês entenderam!).

Claro, isso é bem relativo. Depende da sua velocidade de leitura e concentração. Por isso, escolhi livros não só com o critério de eu ter lido em um dia, mas também levei em conta a quantidade de páginas e a densidade do conteúdo. Fiz uma sinopse breve de cada um, pra vocês saberem do que se trata cada história. Olha só:

Capas

  1. Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie
    A “dama do crime” é conhecida por seus suspenses que conseguem prender a atenção do leitor. Não é diferente com “Assassinato no Expresso do Oriente”. Na história, pouco depois da meia-noite, uma tempestade de neve para o Expresso do Oriente nos trilhos. O luxuoso trem está surpreendentemente cheio para essa época do ano. Na manhã seguinte, há um passageiro a menos. Uma americano é encontrado morto em sua cabine com doze facadas e a porta estava trancada por dentro. A sede pela resolução do mistério faz a gente não querer parar mais de ler e de acompanhar as investigações de Hercule Poirot, o célebre detetive dos romances de Agatha, que é muitas vezes comparado a Sherlock, de Doyle.
  2. A Metamorfose – Franz Kafka
    É um clássico e é curtinho! Além disso, traz uma mensagem muito interessante. O texto coloca o leitor diante de Gregor, o protagonista, que acordou e se viu transformado em um inseto monstruoso. A partir daí, a história é narrada com um realismo inesperado que associa a ficção e o senso de humor ao que é trágico, grotesco e cruel.
  3. Os Contos de Beedle, o Bardo – J.K. Rowling
    É um spin-off de Harry Potter, sendo mencionado no sétimo livro da série. Ele traz as histórias infantis do mundo bruxo, que seriam os nossos contos de fadas. A leitura atrai não só pela curiosidade despertada pela ideia de conhecer as fábulas-não-trouxas, mas também por oferecer um gostinho extra de J.K. Rowling além da saga que consagrou a autora. O livro também apresenta alguns comentários de Dumbledore sobre os contos… Ou seja, pra quem gosta de Harry Potter, leitura obrigatória!
  4. Assassinatos na Rua Morgue – Edgar Allan Poe
    História densa, com mistério, suspense e violência, características típicas de Poe, considerado o inventor da ficção policial. O livro conta a história de dois brutais assassinatos de mulheres na Rua Morgue, em Paris, casos que parecem insolúveis até que o detetive C. Auguste Dupin assume a investigação. Ele, usando sua estupenda inteligência e um sistema próprio de dedução, desvenda esse grande mistério. É genial.
  5. Fahrenheit 451 – Ray Bradbury
    É uma leitura rápida e envolvente, ficção científica soft. A obra descreve um governo totalitário, num futuro incerto mas próximo, que proíbe a circulação de qualquer livro, prevendo que o povo possa ficar instruído e se rebelar contra o status quo. Tudo é controlado e as pessoas só têm conhecimento dos fatos por TV. Nessa atmosfera de distopia, ainda se encaixa um romance e também a luta do protagonista contra o controle dos poderosos, na qual ele tenta mudar a sociedade e encontrar sua felicidade.
  6. Crônica de uma Morte Anunciada – Gabriel Garcia Márquez
    Fatalidade, destino, o absurdo da existência humana. O que explica a tragédia que se abateu sobre o protagonista de Crônica de uma Morte Anunciada? Neste romance curto de construção perfeita, García Márquez monta um quebra-cabeça cujas peças vão se encaixando pouco a pouco. Em que e em quem acreditar? Tem um final surpreendente, leitura rápida e envolvente. Pare o que estiver fazendo e vá ler esse livro. Sério. (Mas volta depois pra ler o resto do post!).
  7. Sentimento do Mundo – Carlos Drummond de Andrade
    Pra quem curte poesia. Publicado em 1940, traz o frescor e o impacto do “vento revolucionário” da obra do mais estudado e lido poeta brasileiro. O livro contém poemas mais famosos e arrebatadores: Poema de Sete Faces, No meio do caminho, Quadrilha; e também poemas menos conhecidos, mas igualmente antológicos: Poema do Jornal, Poema da Purificação.
  8. Ninguém me entende nessa casa! – Leo Cunha
    A leitura dos contos e crônicas nessa obra é bem leve. Aborda temas como a família, os amigos próximos, as lembranças novas e antigas. Algumas crônicas podem até parecer mentira, mas o autor jura de pé junto que é tudo verdade. Afinal de contas, a crônica está quase sempre neste campo minado entre o real e o imaginário, entre a verdade e a ficção, entre a lembrança e a invenção. São conversas, casos, acasos, cenas cotidianas, corriqueiras, até banais, que podem revelar muito sobre nós e sobre o mundo à nossa volta. Além de tudo, a arte no livro é muito legal.

É isso, gente. Fikdik!


Leave a comment

Barzinho em casa

Sabe quando dá aquela vontade louca de ir a um barzinho, comer uns petiscos e tomar uma cervejinha? Ontem foi um desses dias. Mas como estou economizando, não tenho feito o que chamamos de rolê caro. Por isso, pensando em algumas alternativas mais acessíveis e no pouco dinheiro disponível, eu e meu namorado resolvemos fazer um barzinho nosso, aqui na minha casa.

Como deu muito certo, resolvi fazer este post com dicas para você fazer gordice dentro da própria casa gastando pouco. E que fique bem claro que não é coisa de casal, não! Você pode fazer essa noite agradável com seus amigos também!

Bom, antes de ir ao mercado comprar o que faltava, vi tudo que tinha no armário de casa: no caso, nada. Mentira. Tinha um resto de amendoim verde, da marca Pettiz. O sabor é cebola e salsa e combina muito com uma cervejinha.

Daí, então, arrastei meu namorado para o mercado e lá fizemos as compras do mês (para mim e para a minha roomie, a Duda). Dentro da lista do que devia comprar, estavam inclusos alho, maionese, ovos, orégano, pão de forma e filé de peito de frango, que serão usados para as receitas que virão em breve. Além disso, para complementar as receitas e nossa noite, compramos Doritos sabor queijo nacho, torradinhas da marca Crocantíssimo nos sabores “peito de peru com requeijão” e “tomate, manjericão e azeite”, seis latinhas de Budweiser (acabamos tomando uma latinha cada) e um pote de sorvete surpresa.

O amendoim e as torradinhas já vêm prontos, ou seja, só precisei colocar tudo num recipiente bonitinho. Aí começam as receitas! Vou começar pela mais fácil, que é fazer o pão de forma virar torrada (HA-HA-HA). Não preciso explicar como faz, certo?

Em seguida, dei a receita nível médio para o meu namorado fazer, já que ele queria muito ajudar. Não dei um nome exato para isso ainda, mas costumo chamar de patê de alho. É bem simples: você vai precisar de maionese, alho e orégano. Para cada colher de alho que colocar, adicione duas de maionese. No caso, usamos aqueles alhos que já vêm prontos, picados no pote.

Faça a quantidade que achar necessária para tudo que for molhar no patê (no nosso caso, as torradinhas de pão e as já prontas além da nossa última receita). Misture bem e acrescente uma pitadinha de orégano, para dar um toque mais leve ao alho. E pronto! Fica divino! Conselho de irmã: não faça isso para comer com um peguete ou alguém sem muita intimidade, porque rola bafinho (mas vale a pena).

Agora vem a receita nível hard, porém não impossível: frango a Doritos. Na última semana, apareceram vezes o suficiente para eu clicar e abrir um link que dizia “22 laricas para esquecer a dieta”. Eu, gordinha que sou, não pude deixar de clicar. Dentre as coisas mais deliciosas que eles poderiam escolher, tinha essa que chamaram de frango a Doritos. Amo frango. Amo Doritos. Logo, combinação perfeita. Só esperei ficar menos pobre para colocá-la em prática.

Para fazê-la para duas pessoas comerem bem, você precisará de um peito de frango grande, dois ovos, um pouco de farinha de trigo (não medi, mas não usei muito) e um saco de Doritos de 100g do sabor que quiser. O primeiro passo é triturar o Doritos. Se você tiver um triturador, é mole. Mas na mão é mais divertido. Aperte, aperte, aperte até virar floquinho de Doritos. Depois disso, bata os dois ovos com um pouco de água até virar uma mistura homogênea. Eu coloquei os ingredientes em pratos fundos, porque achei mais prático de manusear do que potes.

Em seguida, é hora de cortar o frango. Você pode fazer do modo que desejar. Eu cortei em mini filés, como são os nuggets de caixinha. Aí você vai fazer o mesmo movimento infinitas vezes seguidas: pegar o frango, cobrir com farinha, mergulhar no ovo e empanar com Doritos. Comecei fazendo com a mão, mas fica nojento rápido. Aconselho o garfo.

Depois de todos prontos, é só colocar numa forma untada com manteiga (namorado untou uma forma pela primeira vez) e levar ao forno pré-aquecido em 270°C por 20 minutos. Eles ficam divinamente deliciosos!

Como a ostentação não estava fora do normal (referência a um funk que meus amigos costumam cantar o tempo inteiro, devido à zueira), não compramos queijos finos e salame, que acompanhariam a noite muito bem. Porém compramos cerveja de qualidade (se você não bebe, refrigerante cai bem. Mas se você nem refrigerante toma, não há permissão para essa gordice) e a melhor sobremesa que poderíamos ter pensado: SORVETE TABLITO DE POTE! Sim, existe!

Às vezes, vale muito a pena sair da dieta. Mas se você é como eu e não segue nenhuma, faça qualquer dia desses sua própria noite de gordice chique em casa! :)


3 Comments

Você também foi uma criança dos anos 90

Quando a gente vai ficando mais velho, começa a comparar a vida com a idade atual e a vida cinco, dez, quinze, vinte, cinquenta anos atrás. Eu tenho apenas 21 anos de idade, mas às vezes me pego pensando em como era legal ser criança nos anos 90 (e em como era bom ser criança, apenas). Isso se deve ao fato de eu ter muitos primos pequenos e um irmãozinho a caminho. Logo, fico comparando o que eles fazem, têm e com o que se divertem com aquilo que era minha rotina de criança.

Foi pensando pela milésima vez em tudo isso que resolvi fazer uma super lista com tudo aquilo que marcou a minha vida e a dos meus muitos amigos no Facebook, que me ajudaram a fazer este post um dos mais legais e colaborativos que já escrevi na vida. Dividi os itens em algumas categorias. Olhe as imagens e traga memórias de volta à sua cabeça e lágrimas aos olhos!

Brinquedo

Hoje em dia, é tudo tecnológico demais. E os gráficos são mais reais. Porém, é tudo mais individual também. Cadê jogos de tabuleiro, cartas, álbuns de figurinha, melecas nojentas?

This slideshow requires JavaScript.

Música

Nós ouvimos as boy e girl bands de verdade. E somos os roots do axé e do rock engraçadão. Além de, claro, nossos apresentadores de TV que se arriscavam na música não serem o Yudi. Sem falar em tudo que a gente dançava loucamente sem saber o que a letra queria dizer.

This slideshow requires JavaScript.

Filme

Nós somos a geração que fez animações bombarem. E também os filmes com continuações infinitas. Óbvio, os filmes dos desenhos que assistíamos todos os dias. E aqueles em que crianças são mais malandras que adultos.

This slideshow requires JavaScript.

TV

Os desenhos e as séries. Sério, era tanta coisa boa que eu nem tenho palavras para expressar o amor que sentia pelo Cartoon Network, Nickelodeon, TV Globinho, Sábado Animado e toda a TV Cultura. Ah, sem contar aquelas coisas que não nos deixavam dormir de tanto medo.

This slideshow requires JavaScript.

Vestuário

Lilica Ripilica, Tigor T. Tigre, Pakalolo, roupas do É O Tchan!, tênis com poucas luzes que piscam (e logo queimavam, convenhamos) e muita coisa brega.

This slideshow requires JavaScript.

Alimento

Gordura trans e alimentos gordurosos na cantina da escola. Sem mais.

This slideshow requires JavaScript.

ETC.

Gibi, bichinhos da Parmalat, os primórdios da internet (discada) e do celular (tijolão), pasta de dente Tandy, discman, VHS, fita de música e muito, muito mais coisas que nos faziam ser as crianças mais felizes do mundo!

This slideshow requires JavaScript.


Leave a comment

O que você quer fazer antes de morrer?

Você já parou para pensar em tudo que pretende fazer antes de morrer? E uma lista com cem coisas que gostaria de fazer? Já fez? Numa garagem em Victoria, no Canadá, quatro meninos que estavam cansados do comum e queriam algo diferente para suas vidas se perguntaram quais eram seus principais objetivos de vida. Então, no verão canadense de 2006, os quatro pegaram sua lista de 100 coisas para fazer antes de morrer, um ônibus que reformaram e nomearam Penelope, uma câmera comprada no eBay e um plano para então saírem pelas estradas com o projeto The Buried Life.

390087_329077110459275_2112488839_n (1)

Buried Life feat. Penelope. (foto: página oficial do Facebook)

Mas como tudo isso começou? Dois deles (Ben Nemtin e Duncan Penn) se encontraram num bar e começaram a planejar um filme. Duncan sugeriu chamar seu irmão, Jonnie Penn, já que ele sempre foi ligado em cinema. Jonnie, por sua vez, chamou Dave Lingwood, com quem estava tendo conversas do mesmo nível. De repente, os quatro estavam conversando por Skype e começaram a fazer um brainstorming sobre temas.

285535_233820366651617_748045_n

Os melhores lanches que poderiam conseguir para crianças de um bairro pobre brasileiro, em 2011. (foto: página oficial do Facebook)

Foi quando, dois meses depois disso tudo, surgiu a ideia de sair numa road trip pelos Estados Unidos e Canadá por duas semanas com uma lista de cem coisas para fazer antes de morrer e um plano: para cada item riscado da lista, os quatro riscariam um item da lista de algum estranho qualquer, como um retorno para a sociedade pelo que eles conquistaram. O nome surgiu de um poema que Jonnie leu numa aula de inglês na faculdade.

O plano inicial era de fazer um documentário durante o período de férias da faculdade. Mas a ideia dos quatro amigos era tão, mas tão brilhante que logo eles estavam virando um sucesso no Youtube. Eles estavam tão grandes na internet que tinham sido convidados para fazer programas, porém sem a mesma autonomia que eles tinham quando faziam tudo por conta. Logo, recusaram esses convites. Até que a MTV apareceu dando a autonomia que eles queriam (edição, produção, tema, liberdade criativa…) e o canal seria responsável por apenas transmitir o chamado programa de realidade documentada.

38273_135252186508436_8144481_n

Outro item: sentar no sofá da Oprah. (foto: página oficial do Facebook)

lista de 100 coisas ainda tem muitos itens sem riscar, mas a maioria já foi realizada, por exemplo #59 Chamar a garota dos seus sonhos para sair, #53 Fazer um programa de televisão, #38 Beijar a taça Stanley (taça de hóquei) e #89 Jogar basquete com o presidente (no caso, o Obama). Por conta dessas realizações, outras tantas foram feitas também, seguindo o plano inicial: reformar uma sala de escola pública, fazer possível que uma menina dissesse que ama a mãe e fazer uma mulher ser carregada por uma plateia de show.

Mesmo com o, por ora, fim do programa, eles não pararam de ajudar as pessoas, através de palestras, visitas e até mesmo riscando listas de estranhos. Eles também não pararam de riscar itens da própria lista: o mais recente deles é #19 escrever um livro. O jornal The New York Times considerou o livro o top 01 mais vendido dos Estados Unidos. O conteúdo das páginas conta com histórias sobre como tudo começou, experiências durante os anos de projeto até 2012, quando o livro foi lançado, e motivar pessoas a mudarem suas vidas, convencendo-as de que, acreditando e correndo atrás, há muito o que se pode fazer.

402972_506683072698677_262405420_n

#122: mandar o livro para o espaço (foto: página oficial do Facebook)

É tudo muito bonito. Se você quiser assistir às duas temporadas da série, baixe nas ilegalidades ou, caso seja membro do Netflix, boatos de que você pode ver lá. O livro, bom, aí acho que fica mais difícil. Mas você pode acompanhar os quatro meninos pelo Tumblr, Facebook, Youtube e Twitter, que eles sempre atualizam tudo! Uma outra dica para a vida é fazer sua própria lista. Fiz a minha em 2010 e já risquei algumas coisinhas, como fazer um anjo na neve, passar numa universidade pública e ir a um show internacional. É revigorante cumprir essas coisas :)


1 Comment

No mundo de Tim Burton

Ontem foi um dia para nenhum amante do cinema deixar passar batido: Tim Burton assoprou velinhas. O cineasta completou 55 anos de muita irreverência e talento e o The Fashion T’s não podia deixar de homenageá-lo.

TimBurton

Uma infância regada a viagens mentais. É mais ou menos assim que o próprio Tim descreve os tempos em que ficava perdido em seus próprios pensamentos e imaginando mil e uma coisas dentro de uma cabecinha de criança. Além da própria mente, ele contava com Edgar Alan Poe e seus livros, assim como vários filmes de terror de baixo orçamento.

Sua carreira no mundo mágico do “luz, câmera, ação” começou na Disney. Sim. Na Disney. Depois de se formar no ensino médio, Tim Burton ganhou uma bolsa de estudos fornecida pela Disney para estudar Animação no Instituto das Artes da Califórnia e, depois de três anos estudando, foi contratado pelo Walt Disney Studios como aprendiz de animador. Fez parte de um desenho, porém era contrário à direção de arte do mesmo. Tim ganhou liberdade criativa para produzir alguns curtas, mas, por conta de um deles ser considerado sombrio demais – Frankenweenie –, foi demitido.

Daí para frente, só sucesso. O primeiro deles foi Beetlejuice, que abriu os olhos do mundo pra esse Tim do humor e do horror. Com um Oscar, o próximo passo foi ganhar de presente a produção e direção dos três Batman, com Edward Mãos de Tesoura no meio. O último foi um projeto pessoal de Tim, no qual ele produziu, dirigiu e fez o argumento. Mais muitos prêmios no Oscar direta e indiretamente a Tim surgiram e outros memoráveis filmes também, como A Noiva Cadáver, Estranho Mundo de Jack, a releitura de Alice no País das Maravilhas e até dois clipes de The Killers.

Eu poderia falar muito mais de Tim Burton, inclusive sobre como ele escolheu uma das atrizes mais sensacionais para casar-se (a linda e maravilhosa Helena Bonham Carter) ou sobre como a união dele com Johnny Depp – e a própria esposa, muitas vezes – dá certo. Mas preferi convidar uma amiga super fã dele para contar um pouco sobre sua paixão e os motivos dela.

Minha entrevistada e convidada especial é Paula Amorim, estudante de cinema na FAAP em São Paulo. A Paula começou dizendo que eu toquei num ponto fraco dela: pedir para falar de alguém que a gente admira é sempre muito difícil. Mas aqui vai o depoimento sobre Tim Burton mais sincero e bonito que eu poderia encontrar:

“Eu não sei ao certo quando comecei a gostar do Tim. Foi algo muito natural. Desde pequena sempre tive fascínio por seus filmes. Eu sentia medo, mas me sentia atraída por aquele mundo fantástico e exótico que ele criava. Eu sentia vontade de fazer parte daqueles lugares, eu me sentia em casa! Se alguém me perguntasse o que quero ser quando crescer, eu certamente responderia: ‘Quero ser igual ao Tim!’. Só posso descrevê-lo com uma única palavra: genial! Ao longo do tempo, eu fui entendendo aos poucos quem é esse cara. O Tim enxerga o mundo com olhos de criança! Ele sempre foi uma criança solitária e ele conseguiu transformar toda essa solidão em sonhos. E espelhar esses sonhos de forma criativa e encantadora por meio de imagens… Isso é o que mais admiro nele!  Com o Tim, você não precisa falar nada, basta sentir pra entender. Ele toca o coração das pessoas, sabe?”

Depois disso, não há muito o que falar, não é? Mas eu gostaria de deixar você com uma pequena lista de três filmes do Tim, sendo duas indicações da Paula e uma minha, para você assistir e entender sobre o que estamos falando.

images (4)Vou começar com a minha indicação, que é Sweeney Todd, um dos musicais mais sensacionais que já assisti. Não é só música e nem romance: é macabro, engraçado e incrivelmente genial. Fã de musicais ou simplesmente alguém que gosta de umas doideiras: esse filme é para você.

A Paula indicou um curta que ele produziu na época da Disney, que chama Vincent, em homenagem ao ator Vincent Price. Ela diz que “é bem legal e ali está a base da animação que ele faz até hoje: uma história super criativa, meio macabrinha”. Foi Tim quem desenhou todos os bonecos do filme.

Outra indicação dela – que acaba sendo minha também – é Edward Mãos de Tesoura. Ela diz que gosta muito desse personagem – eu também! – e que “ele é o próprio Tim”. Ela complementou com uma análise muito boa: “as mãos de tesoura mostram que não há uma comunicação compatível entre Edward e a sociedade. Ele é totalmente fora daquele mundo! E acho que isso mostra um pouco esse lado do Tim. Ele tenta se comunicar com as pessoas, mas tem essa barreira: as mãos de tesoura. E isso o machuca também, é algo que o angustia.”